Anarquia no mundo da moda: Movimento punk retorna das cinzas para abalar o mundo fashion

“Eu sou um anticristo / Eu sou um anarquista / Não sei o que eu quero / Mas sei como conseguir”. (Sex Pistols – Anarchy in the UK).

A agressividade, o sarcasmo niilista, o senso de contracultura. Tudo isso define o movimento punk, que teve sua origem nos Estados Unidos, na década de 70, mas consolidou-se no Reino Unido, por volta da mesma época.

O termo “Punk” define um indivíduo que se manifesta culturalmente e é ideologicamente independente, que procura se subverter aos costumes rotineiros, porém sem se apegar a um objetivo específico ou a um grupo.

Imagem

Sid Vicious, baixista da banda Sex Pistols. Fonte: Loop 48

A música, como em diversos momentos da História, teve um grande papel para que esses “rebeldes” pudessem falar o que realmente queriam.

A banda Sex Pistols, do Reino Unido, foi importante para esse movimento e até hoje é considerada a banda que levou o punk para o mundo.

Imagem

Banda britânica The Clash também foi precursora do movimento punk. Fonte: Revista Cifras

A moda, juntamente com a música, é um aspecto cultural mais evidente e característico dessa tribo. No entanto, o termo “moda” não é muito bem aceito entre os punks, pois acreditam que isso seria aceitação social, conformismo cultural, modismo e apenas aparência.

No caso, a palavra “estilo” teria um melhor encaixe, desde que fosse utilizada como “roupa para afirmação social”.

Com seus moicanos espetados, maquiagens exageradas, coleiras com spikes e jaquetas de couro, os jovens chocavam a sociedade onde o padrão e as tradições reinavam.

Tudo era uma inversão: Se os hippies usavam os cabelos soltos, os punks apostavam no mais curto possível.

Foi um movimento de tão grande impacto que, com o passar dos anos, afetou diversas grifes internacionais.

Imagem

Punk na moda: Editorial da Revista Vogue sobre o estilo punk. Fonte: Fashion Bless

Vivienne Westwood, conhecida como a “Rainha do Punk”, declarou ao jornal inglês The Independent, que Johnny Rotten, vocalista do Sex Pistols, estava certo quando cantava “Não há futuro. Seu sonho de futuro é uma máquina de comprar”.

A moda adora elementos de rebeldia. O que no começo podia chocar foi sendo assimilado e depois trabalhado de maneira que o grande público viesse a consumir essa nova estética.

Alguns elementos, como os spikes e a jaquetas de couro, acabam tornando-se simbólicos e aparecem em diferentes releituras, tanto em grifes mais ousadas e inovadoras, como Alexander McQueen, quanto em grifes mais clássicas, como Givenchy.

No Brasil, o punk está presente em lugares, que antes, eram improváveis, como em roupas infantis. Com estampas de caveira, até as crianças podem mostrar seu lado “rebelde sem causa”.

Seja na moda, no comportamento ou na música, o movimento punk nos mostra que a rebeldia deve ser compartilhada, pois não se trata apenas de aversão ao cotidiano, mas, sim, de uma ideologia em que o “diferente” é aceito, em que a autoafirmação em uma sociedade padronizada é mais do que necessário.

Libertem o lado punk que existe dentro de vocês!

Tip Videos:

O primeiro é uma das melhores músicas do Sex Pistols e representa muito bem o movimento punk: Sex Pistols – Anarchy in the UK  http://www.youtube.com/watch?v=LOy8zvmIgvo

Outra banda punk The Clash, com a melhor música de todos os tempos, na minha opinião. Should I Stay or Should I Go http://www.youtube.com/watch?v=guqlsDLBu0s

E também não poderia faltar, os grandes, The Ramones. Hey Ho Let’s Go http://www.youtube.com/watch?v=yjPn8ygmmBY

Postado por Taany Maeno.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s