Aprofundando no assunto: A vida e obra de Vincent Van Gogh

Filho de um pastor e uma dona de casa, Vincent Van Gogh nasceu em 30 de março de 1853, em Zundert, no sul da Holanda. Seu pai, Theodorus, um senhor rígido, porém amável, educava Vincent e seus cinco irmãos com muita ternura e responsabilidade. Desde muito jovem, o garoto prodígio já demonstrava sua inquietude e dispersão para o que não lhe interessava. Herdou a visão arguta e inquisidora da mãe que, assim como ela, se projetava por baixo do supercílio saliente. Com o tempo, foi desenvolvendo uma forte ligação e amizade com seu irmão mais novo, Theodore Van Gogh, que sempre o motivou para a arte.

Vincent e Théo Van Gogh crianças. Fonte: Getty Images

Vincent e Théo Van Gogh crianças. Fonte: Getty Images

Théo, como era chamado carinhosamente por Vincent, foi a primeira influência do pintor, que em muitas vezes se falavam por cartas em assuntos profissionais e até privados.  A vasta correspondência entre Théo e Vincent foi preservada e publicada em 1914, em vários livros que atualmente são vendidos em todo o mundo, trazendo a público inúmeros detalhes da personalidade do pintor. Outra curiosidade é que através desse material que se sabe que foi Théo quem suportou financeiramente o irmão durante a maior parte de sua vida, marcada por fracassos e decepções.

Em 2010, o canal de televisão BBC produziu um documentário sobre as famosas cartas dos irmãos Van Gogh. No filme, nomeado Van Gogh: pintando com palavras, o pintor é interpretado pelo ator inglês Benedict Cumberbatch, e retrata em cenas ficcionais as transcrições de cartas redigidas por Vincent para seu irmão mais novo, Théo. O resultado é um complexo retrato de um homem sofisticado e civilizado, mas atormentado.

Benedict Cumberbatch na interpretação de Vincent Van Gogh. Fonte: BBC Brasil

Benedict Cumberbatch na interpretação de Vincent Van Gogh. Fonte: BBC Brasil

Já na juventude, e com a influência do pai, Van Gogh se interessou em assuntos religiosos, onde em 1879, na Bélgica, com 26 anos de idade, tornou-se missionário em uma comunidade de meninos pobres. Em suas horas de folga, Vincent pintava as paisagens do lugar, e a rotina das pessoas que conviviam com ele. Por não concordar com a rigidez e muitas vezes friezas dos outros missionários, mudou-se, no ano seguinte, para Bruxelas, também na Bélgica onde começou a levar a pintura mais a sério.

Entre as decepções, no começo da carreira como artista, fincavam também os desencantos com o amor. O pintor foi recusado em dois pedidos de casamento, e na terceira tentativa se envolveu com uma prostituta grávida, ressaltando grandes conflitos com o pai Theodorus.

Na idade adulta, Vincent teria que lhe dar com outro problema: a paranoia que matava o pintor lentamente, com perturbações epiléticas e alucinações constantes. Causada por seus inúmeros fracassos, tanto com a família, quanto nas constantes mudanças de locais de moradia, no período de 1880 a 1890.

Vincent na idade adulta em foto e pintura de sua autoria. Fonte: Getty Images

Vincent na idade adulta em foto e pintura de sua autoria. Fonte: Getty Images

Em 23 de dezembro de 1888, após uma longa caminhada em Arles, no sul da França, bastante transtornado Vincent cortou um pedaço de sua orelha direita, fato que até hoje o deixa famoso. Após o ocorrido, ele retornou à sua casa e dormiu como se nada acontecera. A polícia foi avisada e encontrou o pintor sem sentidos e ensanguentado.

No ano seguinte, em 1889, a pedido do próprio artista, Vincent foi internado pelo irmão Théo em um hospital psiquiátrico em Saint Paul de Mausole, perto de Saint-Rémy, na Provença, interior da França. Em maio de 1890, ele deixou o asilo hospitalar e mudou-se para a cidade de Auvers sur Oise, na província francesa, região calma onde podia estar mais perto de seu irmão e frequentar as consultas diárias, que infelizmente não fizeram efeito representativo na tribulada vida de Vincent.

Não suportando todas as dores enfrentadas nos breves anos de sua marcante história, em 27 de julho de 1890, Van Gogh foi ao campo da pequena casa onde morava, em Auvers, e disparou um tiro contra o peito, falecendo dois dias depois nos braços do irmão Theo, que na ocasião pronunciou “La tristesse durera toujours”, frase em francês que significa “A tristeza durará para sempre”. Seis meses depois, em 25 de janeiro de 1891,Théo também faleceu, vítima de sífilis em fase terminal. Os irmãos foram enterrados lado a lado no cemitério Auvers sur Oise, última moradia de ambos.

 Lápides de Vincent e Théo Van Gogh, localizadas no cemitério na Holanda. Fonte: Getty Images


Lápides de Vincent e Théo Van Gogh, localizadas no cemitério na Holanda. Fonte: Getty Images

Conheça um pouco mais sobre a brilhante obra desse artista visionário na próxima semana na segunda parte desse especial para a Vista.

Postado por Camila Campos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s